segunda-feira, 4 de fevereiro de 2008

Destino vil, vil destino


Destino vil, vil destino
Que a minha vida ousaste mudar
Destino meu de libertino
Pela rua a vaguear

Destino cruel da minha vida
Minha glória está perdida
Destino vagabundo
De um sonhador
Que um dia conheceu o amor

O amor de quem não soube
Seu coração amar
O amor de quem não houve
A mais leve ternura no olhar

Deixa-me viver só mais um dia
Para amar e ser feliz
Deixa-me ouvir a melodia
De um mundo que eu sempre quis

3 comentários:

João Coelho disse...

ahahaha...a minha prima fez um blogue pa concorrer com o meu...my bien...fui o primeiro a coemntar...ahahah

bjinho*

Rakel disse...

está tao kawaiii o teu blog!!! adoro o poema k puses-te é pura e simplesmente linduhhhhh!!! kontinua a postar poemas axim!!!

bju gande

Sílvia disse...

Olá!!! Bem, não imaginas o orgulho k tenho em ter uma amiga poeta... Nem dá para acreditar que foste tu que escreveste... Porque não postar todos os k já fizeste?
Está simplesmente fofo o blog, adoro cor-de-rosa!!! E com poemas destes...upa upa!!
Adoro-t!!
beijão enorme!!